Gerente de futebol do Atlético foi citado em polêmica de gastos em cartão do Cruzeiro

0

Com o cartão dele, foram feitas compras de mais de R$ 20 mil em transações não relacionadas ao Cruzeiro; entenda a situação

Pedro Moreira tem duas passagens pelo Cruzeiro (foto: Igor Sales/Cruzeiro)
Pedro Moreira tem duas passagens pelo Cruzeiro(foto: Igor Sales/Cruzeiro)

Novo diretor executivo de futebol do Atlético, Victor Bagy apresentou, nesta terça-feira (20/2), o substituto dele no cargo de gerente de futebol – a função era desempenhada pelo ex-goleiro desde 2021. Pedro Moreira, que era coordenador administrativo da base, assume o posto.

Publicidade

O dirigente tem passagens pela Seleção Brasileira e por clubes da Série A – incluindo o Cruzeiro. Passou duas vezes pela Toca da Raposa (2007 a 2014, 2016 a 2021) sendo que, na segunda, teve o nome ligado à polêmica de gastos em cartão corporativo.

Levantamento da Kroll, em maio de 2020, mostrou que, entre 2018 e 2019, foram feitas compras que ultrapassaram os R$ 20 mil em “transações não condizentes às atividades do Cruzeiro” em cartão corporativo do clube en nome de Pedro. A empresa havia sido contratada para fazer auditoria interna.

Entenda a situação

Leia Mais

EX-ATLÉTICO

Ex-Atlético interrompe aposentadoria e acerta com clube do interior do UruguaiATLÉTICOComentarista diz que atitude de Felipão no Atlético é mais feia que 7 a 1 contra AlemanhaMERCADO DA BOLAVictor detalha perfil de contratações do Atlético e analisa zaga

Com o cartão de Pedro Moreira, então supervisor de futebol do clube celeste, foi efetuada compra de pouco mais de R$ 10 mil em loja de roupa masculina, em um shopping de Belo Horizonte, em fevereiro de 2018. À época, a gestão do ex-presidente Wagner Pires de Sá estava no início – ele foi eleito para o triênio 2018/2020. Pedro era o supervisor.

Entre o final de julho e o início de agosto, no mesmo cartão, foram registradas seis aquisições em lojas de eletrodomésticos, que totalizaram R$ 10.738.

Ainda em agosto, foi efetuado pagamento de três assinaturas da Netflix, serviço de streaming, cada uma no valor de R$ 45,90.

Os gastos totalizaram R$ 20.880,49, de acordo com relatório da Kroll. O valor só não era maior do que o do cartão em nome de Wagner Pires de Sá – que passou de R$ 35 mil.

Cruzeiro isenta Pedro Moreira

Após a polêmica vir à tona, o Cruzeiro informou que as compras não haviam sido feitas por Pedro. Parte delas (os mais de R$ 10 mil gastos em loja de roupa masculina) foi de responsabilidade de Wagner Pires de Sá, e o restante foi contestado junto ao banco, sob a alegação de ter sido proveniente de fraude e clonagem.

Em nota oficial publicada em seu site, o clube celeste isentou Pedro Moreira de responsabilidade sobre os gastos.

Publicidade

“O Cruzeiro aproveita, também, para reforçar sua confiança no trabalho do colaborador Pedro Moreira, que presta serviços ao Clube há mais de 15 anos, e possui currículo exemplar que inclui trabalho como supervisor do futebol de base da seleção brasileira, e formação em Educação Física pela Universidade Estadual dos Apalaches (EUA), especialização em Comércio Exterior, Negócios Internacionais e Gestão Esportiva e Administrativa pela Fundação Getúlio Vargas, e atualmente finaliza mestrado em Ciência do Esporte Global pela Universidade de Nova York (EUA).”

Leia abaixo parte da nota oficial emitida pelo clube.

Trechos da nota oficial do Cruzeiro

“O Clube reforça que, após apurações internas, submetidas pelo Comitê de Compliance, que ouviu todos os envolvidos, e comprovadas por documentos disponíveis ao final desta nota, os gastos em lojas de vestuário, feitos naquele cartão corporativo, foram de responsabilidade do antigo presidente Wagner Pires de Sá, no valor de R$ 10.004,24.

Como demonstra o Relatório de Despesas, o colaborador Benecy Queiroz apenas cumpriu sua função como subordinado, a pedido do presidente, seu superior. Tanto ele quanto Pedro Moreira foram ouvidos pelo Comitê de Compliance do Cruzeiro e confirmaram o ocorrido.

Inclusive, esses gastos serão objeto de pedido de restituição por parte do Cruzeiro, que já está preparando a medida judicial, uma vez que os recursos do Clube nunca poderiam ter sido utilizados para vestir seu presidente.

Publicidade

Já os valores relacionados às compras em lojas de eletrodomésticos e assinaturas de plataformas de streaming foram contestados pelo Clube à época, sob alegação de fraude e clonagem, o que foi comunicado prontamente ao Banco Santander, que procedeu ao cancelamento do cartão e o estorno parcial dos valores, em processo que se iniciou justamente após formalização da reclamação feita internamente pelo próprio colaborador Pedro Moreira aos departamentos financeiro e jurídico do Cruzeiro, através de e-mails (disponibilizados ao final desta nota), informando não reconhecer as compras.”

Pedro Moreira no Cruzeiro

Pedro Moreira entrou pela primeira vez no Cruzeiro em 2007, para participar da criação do departamento de negócios internacionais do clube. Ele foi diretor do departamento até o final de 2014.

No início de 2015, foi para a CBF – lá, ficou por um ano em cargo de gestão das Seleções de base e olímpica.

Em 2016, Pedro Moreira voltou ao Cruzeiro, desta vez, para ser supervisor de futebol, função que exerceu até 2020 – quando foi promovido a gerente de futebol.

No final de 2021, o dirigente deixou a Raposa em comum acordo.

Antes de chegar ao Atlético, em janeiro de 2023, para ser coordenador administrativo da base, Pedro passou por Corinthians e Botafogo, onde também atuou em cargos de gestão.

fonte : Noataque

Campartilhe.

Deixe Um Comentário

Facebook login by WP-FB-AutoConnect