Depois das enchentes, Porto Alegre corre risco de sofrer deslizamentos

0

Alerta da Defesa se refere a 26 pontos considerados críticos. Com a chuva forte que caiu nas últimas horas na região metropolitana da capital gaúcha, nível da água do Guaíba voltou a ultrapassar os 4m

Parte do Centro de Porto Alegre continuava semi-submerso. Em alguns pontos, a inundação encobria quase totalmente a entrada dos prédios comerciais – (crédito: Henrique Lessa/CB/D.A Press)

Depois dos temporais de quinta-feira e a chuva constante ao longo do dia de ontem, o morador de Porto Alegre passa a conviver com uma nova preocupação: o risco de deslizamentos de encostas. A Defesa Civil municipal emitiu alertas relacionados a 26 pontos críticos da capital gaúcha.

Não há, porém, indicação do poder público para que os moradores das áreas de risco abandonem as casas e sigam para abrigos. A orientação é para que observem e, em caso de \\”perceberem instabilidade\\”, deixar o imóvel ameaçado.

\\”A população que reside em áreas de risco deve observar quaisquer alterações nas encostas. Em caso de sinais de instabilidade, os moradores devem procurar abrigo temporário junto a parentes ou amigos, ou utilizar as estruturas de acolhimento disponibilizadas pela prefeitura. Recomenda-se que a população busque locais seguros, mantenha distância de postes, árvores e placas de sinalização e evite entrar em áreas alagadas\\”, indica o alerta emitido pela Defesa Civil do município. As áreas mais ameaçadas estão em 24 bairros das zonas norte, leste e sul, como Sarandi, Lomba do Pinheiro e Mario Quintana.

A advertência sobre as encostas tem por base informações fornecidas pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), e é válido até segunda-feira.

Subida

Com as fortes chuvas das últimas horas, o nível do Lago Guaíba voltou a ultrapassar a marca dos 4m, ontem à tarde — bateu em 4,26m. O represamento das águas na Lagoa dos Patos, em decorrência de ventos vindos do sul do país, e a chegada a Porto Alegre da grande precipitação pluviométrica que se formou no norte do Rio Grande do Sul fazem com que a expectativa seja de que as águas no Guaíba permaneçam subindo.

A previsão da retomada da inundação indica uma cheia duradoura do Guaíba, diminuindo o ritmo — em momentos paralisando totalmente — do processo de limpeza e reconstrução das cidades da região metropolitana de Porto Alegre. E essa preocupação se potencializa porque a prefeitura da capital, no dia 17 de maio, para escoar as águas que invadiram a cidade, derrubou a comporta de número 3, no bairro Centro Histórico. O equipamento servia de contenção para que a água do Guaíba não transbordasse.

Agora, com a volta da necessidade de fechar os portões do sistema da proteção, a prefeitura não consegue recolocar o portão derrubado. A alternativa encontrada pela administração municipal foi usar sacos de areia, misturados com cimento, para tentar conter a cheia. Foram usados mais de 50 sacos — aproximadamente uma tonelada ao todo —, dispostos em três fileiras, no local onde ficava a comporta arrancada.

A enchente segue elevada em parte dos bairros afetados desde o início do mês, especialmente na zona norte da capital, no extremo sul e nas ilhas — como no Sarandi, no Humaitá, no Lami e no Arquipélago. Uma das principais vias de Porto Alegre, a Avenida Ipiranga, teve ontem faixas interditadas diante da abertura de um buraco na tubulação abaixo de uma das pistas.

Lixo espalhado

Uma das razões para que a enchente custe a baixar é a orientação, dada dias atrás pelo Departamento Municipal de Limpeza Urbana, para que as pessoas removessem para as ruas da cidade o lixo acumulado dentro das casas e comércios. Os bairros que continuavam alagados ontem tinham uma grande quantidade de entulho escondido sob as águas turvas. A reportagem do Correio constatou isso ao percorrer áreas alagadas do Centro de Porto Alegre. Segundo os técnicos do DMLU, somente depois que a água baixar nesses locais é que as equipes de limpeza poderão remover o lixo acumulado.

\\”A primeira etapa da limpeza das vias é a retirada de entulhos, como móveis e eletrodomésticos descartados pela população. A etapa seguinte é a raspagem da lama que, seca, endurece sobre as vias que não estão mais alagadas. Como ainda estão previstas chuvas, o trabalho tem de ser paralisado. É muito difícil dar um prognóstico sobre quando a limpeza terminará\\”, explica o diretor-geral do DMLU, Carlos Alberto Hundertmarker. Apesar de o acúmulo de lixo prejudicar o escoamento da enchente, o DMLU reforçou a orientação para a população seguir fazendo o descarte nas ruas.

A inundação traz, também, problemas com a rede pública de energia. Ontem, por causa de um curto-circuito provocado pelo excesso de água no local, uma subestação de metrô capital gaúcha ficou muito danificada por causa de um incêndio.

Agencia Brasil

Campartilhe.

Deixe Um Comentário

Facebook login by WP-FB-AutoConnect